Páginas

curvas, retas e esquinas

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Opostos © Copyright





E tudo retornou, quando a noite se foi. O cantar, o falar no voar das manhãs. E tudo voltou quando o frio se foi, no fechar das portas, para quem nem se despediu   com acenos afãs. Há muito sobre a lua que se apaga, sobre as estrelas que se retiram tocando de leve, como orvalho que evapora depois que afaga.  Há esperança no sol que renasce, no pequeno facho de minhas frestas. Ouço pássaros que cantam, como que anunciando em vozes de profetas. E eu aqui, todo encantado abrindo as janelas sinto a brisa, e observo o voar suave das borboletas.


O sol se retira na noite que chega trazendo consigo a lua, e a luz das lanternas para os voantes fascinados. Há sempre um poema com brilho, sobre o astro que descansa, e sobre pássaros cantantes e os noturnos bicos calados. Há sobre a noite, poesia.   Há sob o véu escuro, romance de lua dos amantes exacerbados, e   dos sem tetos descamisados.  E de novo, o sol que desponta traz de seu berço a manhã dos contentes, e a confiança dos taciturnos bicos ausentes. Traz a luz quente sobre a terra, onde germinam as vidas, das toscas e murchas   sementes. by betonicou